O QUE É ESPIRITISMO?

É uma ciência integral e progressista que “estuda a origem, a natureza, o destino do espírito e as leis que regem sua comunicação com o mundo físico dos encarnados”, de acordo com a definição expressa proporcionada por Allan Kardec, seu Codificador. É uma filosofia espiritualista, de base científica, que estimula o estudo, a cultura e a pesquisa com o propósito de orientar o ser humano no processo de autoconhecimento e compreensão do universo físico e psíquico que o rodeia. É uma filosofia de caráter racionalista, que defende a liberdade de pensamento e de expressão, que rechaça a fé cega e toda espécie de práticas supersticiosas. É uma posição ética frente à vida, que convida à educação do intelecto e ao cultivo dos sentimentos. Adota uma postura tolerante que respeita todas as filosofias, religiões e crença pessoais, que estimula o livre-arbítrio e não impõe nem proíbe nada. Sua proposta se fundamenta na reflexão e no livre exame, à margem de qualquer fórmula impositiva ou punitiva.

O QUE NÃO É ESPIRITISMO?

Não é uma religião ou seita pseudo-religiosa: nele não há dogmas de fé, igrejas, cultos, ritos, sacerdotes ou pastores, livros sagrados nem mestres infalíveis. Não aprova nem admite em seu escopo práticas como a bruxaria, o vudu, a magia, a adivinhação, os ensalmos, leitura de mãos, o uso de tabaco ou de cartas como instrumentos de pretensas revelações, nem muitas outras superstições e charlatanismos próprios da ignorância. Não há profissionais no Espiritismo; nenhum espírita verdadeiro vive do Espiritismo, já que este não se constitui como ofício ou profissão. O espírita é um cidadão que cumpre seus deveres cívicos e morais, e que honra os valores da educação e do trabalho.


POSTULADOS BÁSICOS DO ESPIRITISMO

    • Existência de Deus:
      A filosofia espírita aceita a existência a existência de uma Inteligência Universal, força primordial organizadora das leis naturais, fonte sublime do bem e do amor. A ideia espírita de Deus se distingue da concepção antropomórfica das religiões, posto que não concebe como um ser pessoal ou mutável, que se alegra ou entristece, que premia ou castiga, senão como a energia primária e criadora do Universo, arquétipo do Supremo Amor.
    • Preexistência e sobrevivência do espírito:
      Existimos antes de nascer e continuamos vivendo depois da morte. Todos os seres vivos estão dinamizados por um princípio psíquico indestrutível e imperecível, responsável pelas funções intelectuais e emocionais. Tal princípio adquire os atributos do espírito humano seguindo um vasto e complexo processo evolutivo.
    • Reencarnação:
      O espírito se serve de diferente corpos físicos ao longo de sua trajetória evolutiva. Vai alcançando novos estados evolutivos por meio de inúmeras vidas sucessivas. Deste modo, o passado e o presente estão enlaçados em uma relação causal cuja compreensão é indispensável para o aperfeiçoamento do Ser e para edificação do seu porvir.
    • Mediunidade:
      É a faculdade que possuem os seres humanos –mais aguçadas naqueles que especificamente são chamados médiuns- por meio da qual se pode relacionar as humanidades visíveis e invisíveis, é a comunicação do mundo físico com o mundo espiritual. Mediante a prática da mediunidade se prova experimentalmente a imortalidade da alma; se retificam as falsas ideias de céu, inferno, demônios, penas ou castigos eternos; se entra em contato com seres queridos e se recebem valiosas informações, instruções ou intuições de diversas fontes espirituais.
    • Pluralidade dos mundos habitados:
      Por ser uma constante universal, a vida não é um acidente que excepcionalmente se produziu na Terra. Não estamos a sós no universo. Seria uma demonstração de grosseiro antropocentrismo negar a possibilidade de que há vida em outros planetas, sistemas ou galáxias, a qual obviamente haverá adquirido, nos vastos processos evolutivos, formas distintas de manifestar-se de acordo com suas próprias condições e circunstâncias.
.

PARA QUE SERVE O ESPIRITISMO?

Para demonstrar, a partir dos fatos e por via da experimentação, a existência, preexistência e sobrevivência do espírito como ser concreto e individual que conserva suas faculdades intelectuais e morais depois do que chamamos de morte. Para ensinar ao homem que é o sujeito protagonista de sua própria história, que é responsável por seus atos e arquiteto de seu próprio destino, sujeito às consequências da lei de causa e efeito. Para desenvolver um melhor comportamento no que se refere em seu âmbito pessoal, familiar e social, que o sintonize com os esforços gerais em favor do estabelecimento de uma sociedade mais livre, democrática, justa, igualitária e fraterna. Para compreender que nascer, morrer, voltar a nascer e progredir sempre é a lei fundamental da existência. Para ser, em definitivo, melhor pessoa e cidadão.

FINALIDADES

Estudar sistematicamente o Espiritismo em seus aspectos científicos, filosóficos, morais e sociais. Divulgar os fundamentos básicos da filosofia espírita por meio de conferências, eventos públicos, livros, revistas e demais ferramentas de comunicação social. Fomentar as pesquisas científicas voltadas à demonstração da existência do espírito, sua permanência após a morte e suas diversas manifestações, assim como seu processo evolutivo reencarnatório. Experimentar em torno da mediunidade, o magnetismo e a fenomenologia paranormal, sob normas racionais, éticas e científicas. Estudar toda disciplina científica e filosófica, manifestação cultural ou artística, cujas noções capacitem a seus membros para uma melhor compreensão da realidade material e espiritual uma vez que contribuem à elevação cultural. Estimular o ensino do Espiritismo em todos os níveis, tanto para adultos quanto para jovens e crianças, promovendo sua elevação moral e cultural com base nos nobres princípios da filosofia espírita. Contribuir para a solução daquelas situações em que se evidenciem obsessões ou alterações de personalidade, que sejam de nítida origem espiritual, mediante investigações e análises das mesmas, brindando a maior solidariedade moral e socorro efetivo. Defender os ideais pacifistas e humanistas, a liberdade de consciência e a livre manifestação do pensamento, reprovando qualquer restrição aos direitos humanos. Manter relações fraternais, de intercâmbio e apoio, com todas as organizações espíritas do mundo. Reconhecer os méritos e virtudes de todos os pensadores que tenham contribuído ao engrandecimento e evolução dos povos rumo à verdade e ao amor, sem endeusamentos nem idolatrias.